Posts by "poemese"

Qual look literário que mais te inspira?

Em parceria com os blogs literários mais encantadores dessa rede de afeto chamada mundo Internet, separamos alguns cúmplices que vestiram poesia na ação #LookLiterário e que coloriram nosso Instagram no último mês. Se você quiser aparecer em nosso feed, não esqueça de marcar a gente @vista_poemese e colocar a hashtag #LookLiterário pra gente te encontrar e repostar, ok?

Look literário do blog Papel Papel

Sobre o blog: “Criado em julho de 2015, o Blog Papel Papel surge como um espaço literário de prosa informal e reflexões cotidianas – uma conversa entre amigos! Nestes três anos de atividade, nosso maior objetivo tem sido o de estimular o hábito da leitura através da publicação de resenhas e textos autorais de seus colunistas. O Blog também atua na divulgação de eventos e lançamentos literários, principalmente de jovens autores nacionais e instituições parceiras.”

Look literário do blog Minha Secreta Poesia

Sobre o blog: “O Minha Secreta Poesia surgiu da necessidade de compartilhar com outras pessoas o meu amor pela leitura. Comecei a ter um gosto maior por esse mundo literário com aproximadamente 13 anos, contudo, infelizmente, não tinha muita companhia na época para falar sobre o assunto. Desse modo, entrei para o mundo dos blogs literários – já havia criado alguns sobre assuntos aleatórios desde então. E desde a criação, não consegui parar de falar sobre livros, e essa vontade somente cresce com o passar do tempo. O Minha Secreta Poesia me trouxe, além de oportunidades e espaço, amizades e parcerias das quais sou muito grata.”

Look literário do blog Um Oceano de Histórias

Sobre o blog: “Ele foi criado em 08/12/2013 com uma amiga, que não faz mais parte da equipe. Desde então, ele me trouxe uma das coisas mais valiosas da minha vida: verdadeiras amizades. Ele se tornou, por conta disso, meu porto seguro. Um lugar que posso recorrer em qualquer situação e que sei, sem sombra de dúvidas, que me trará coisas maravilhosas no futuro.”

Look literário do blog Minha vida literária

Sobre o blog: “O Minha Vida Literária é um blog voltado ao universo da literatura. Criado pela mogiana Aione Simões, foi fundado em julho de 2011 e aborda diferentes tipos de livros, sendo conhecido principalmente pelas resenhas de romances e chick-lits, gênero, no qual, é considerado uma das referências no meio. Com o intuito de incentivar a leitura, conta com resenhas e indicações de livros e de filmes adaptados, notícias do universo literário e assuntos diversos relacionados ao tema principal. Além do blog, o Minha Vida Literária possui um canal no YouTube e conta com redes sociais de apoio, como o Facebook, Twitter e Instagram, que permitem um maior contato e engajamento com os leitores.”

Look literário do blog MãeLiteratura

Sobre o blog: O Blog MãeLiteratura é um espaço dedicado aos livros, para aqueles que amam ler. A Claudia é psicóloga, blogueira e alucinada por livros. É mediadora de clubes de leitura, idealizadora e administradora do Desafio dos 100 Livros em Um Ano. Escreve ainda sobre maternidade, lazer e cultura no blog e nas redes sociais.

Look literário do blog Poesia na Alma

Sobre o blog: “O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem. O Poesia na Alma quer a poesia em movimento.”

Participaram também dessa ação os blogs Oh My Dog estol com Bigods, Memórias de uma leitora e Resenhando sonhos. Gostaria de ter seu look em nosso blog? Marca a gente com #LookLiterário! Qual look é o mais inspirador? Conta pra gente nos comentários. =)

Hanny Saraiva

Qual a importância da literatura de humor?

Já dizia Victor Hugo, “A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano.” Já que o brasileiro é considerado um povo que ri (vide o número de memes espalhados em velocidade espantosa), nos perguntamos: Qual a importância da literatura de humor?

O que é literatura de humor?

De acordo com a pesquisadora e professora Isabel Ermida, o humor literário “consiste em situações pontuais que, curiosamente, assumem contornos muito semelhantes aos das anedotas.” Esse tipo de literatura aborda a natureza humana tendo como elemento principal o riso. Cheia de crítica, sarcasmo e ironia, a literatura de humor não apenas nos faz sorrir como nos faz pensar. Seu grande trunfo muitas vezes está nas entrelinhas, o efeito de suas frases nos coloca em um ponto onde não apenas rimos, mas começamos a nos questionar por que estamos rindo.

Humor sarcasmo

Onde encontramos a literatura de humor?

A leveza do humor pode parecer oposta ao que algumas pessoas chamam de clássica literatura, mas muitas vezes é através da literatura de humor que refletimos sobre assuntos considerados mais sérios como política e sociedade. Há humor na literatura considerada de massa tanto quanto na alta literatura, por que não produzir mais gargalhadas então? Pensando nisso, a Poeme-se criou uma linha especial de camisetas literárias recheadas de humor para aqueles que acreditam que “literatura boa é a que eu quero ler.”

Humor leitura

Por que o humor na literatura é importante?

A poesia de Bocage, as obras de Philip Roth, o humor inglês de Douglas Adams, a verdade é que as particularidades do humor podem se transformar em aparelhos de denúncias, podem nos ajudar a suportar um momento de crise, podem ser gatilhos para mudanças. O humor vive da circunstância e o ponto principal da escrita de humor é o jogo de palavras que nos faz rir, mas acima de tudo, nos faz refletir. Seja em narrativas ficcionais, seja em tirinhas ou em frases de camisetas poéticas, há um elemento que temos que concordar: é sempre polêmico.

Humor livro

Que literatura de humor você adoraria encontrar na Poeme-se? Conta pra gente nos comentários. 😉

Hanny Saraiva

10 frases para quem ama livros – e sabe que eles te libertam

Se você é um colecionador de frases e vive anotando tudo num bloco, doido para poder vesti-las um dia, separamos 10 frases para você que ama livros e acredita que leitura liberta, te faz uma pessoa melhor, apesar de ser viciante.

O pior dos novos livros é que eles nos impedem de ler os antigos. – Joseph Joubert

Caminhais em direcção da solidão. Eu, não, eu tenho os livros. – Marguerite Duras

Um livro é a prova de que os homens são capazes de fazer magia. – Carl Sagan

Os livros podem ser divididos em dois grupos: aqueles do momento e aqueles de sempre. – John Ruskin.

Seria bom comprar livros se fosse possível comprar, junto com eles, o tempo para lê-los. – Arthur Schopenhauer

Da minha parte, se um livro for bem escrito, sempre o acho curto demais. – Jane Austen

Fazer passar pelo corpo o maximo de narrativas possiveis. – Haruki Murakami

Vivia nos livros mais que em qualquer outro lugar. – Neil Gaiman

Literatura é luxúria; ficção é uma necessidade. – G.K. Chesterton

Nós sabemos que um povo que lê não se submete e já que a leitura liberta, te perguntamos: qual dessas frases daria uma ótima camiseta de livro? Tem alguma outra frase que gostaria de compartilhar? Conta pra gente nos comentários.

Hanny Saraiva

Aladdin foi o meu primeiro gatilho para literatura em um dia dos pais

Você tem direito a três desejos. Há quem responda: mas só três? E há quem diga: não consigo escolher um. Outros já se atentam: minha mãe disse para não falar com estranhos. O fato de responder que não pode falar com estranhos já é falar com estranhos, rapaz. Em 1992 foi lançado Aladdin (Estúdios Disney) com recorde de bilheteria à época, só não lembro. Vi depois, na sequência da infância, e foi esse filme que me fez despertar o primeiro gatilho para a literatura. Também é recortado pelas lembranças das fitas em VHS e dos Dias dos Pais. Como ainda não sou pai, o dia vale como filho.

A história conta a saga do jovem humilde, malandro e sonhador Aladdin. Lembro sempre nas turmas das oficinas que ministro e nas palestras, principalmente para os que sonham em escrever, que uma das principais coisas na criação de uma narrativa para fisgar qualquer leitor é o que aprendi com Ariano Suassuna: conte um sonho a uma pessoa e ela reagirá de uma forma, mas conte que sonhou com a pessoa e ela reagirá com muito mais interesse. Vejam só, eu queria ser Aladdin.

O jovem com roupa diferente e um chapéu que eu queria ter, mesmo sem coragem para usar, era a identificação também pela condição social. Não me faltava pão, mas queria ser rico. Sou iguaçuano, passei a infância em Cosmorama (hoje, depois da emancipação, bairro da cidade de Mesquita) e olhava para determinados lugares e pessoas com aquele imaginário de querer ter dinheiro para tudo o que eu quisesse. Como o Riquinho do filme com Macaulay Culkin, queria ter tudo. Talvez se resumisse a uma lanchonete dentro de casa e poder ser Aladdin. Ou queria apenas viver vários mundos como Agrabah.

A obra tem em minha carreira como escritor grande impacto. Foi incrível assistir quase que semanalmente a invenção de um mundo lúdico, ou um mundo ideal. Do Oriente Médio, noites da Arábia, que eu não fazia ideia que existiam às lendas de gênios da lâmpada, das frutas que eu nunca tinha ouvido falar como tâmaras e pistaches. Tem a princesa Jasmine mostrando que dinheiro não é tudo, querendo ser uma mulher livre. A paleta de cores vivas com predominância do amarelo, do vermelho e do roxo também fez alguma dose de hipnose nas crianças. Depois da macarronada no almoço de domingo era hora de assistir Aladdin.

Jorge Amado, à sua época, quebrou padrões e levou sua literatura brasileira, baiana, para o mundo assim como Cem Anos de Solidão, do Gabo. Com olhar pouco anacrônico podemos perceber a quebra de padrão da animação da Disney, já que se passava no Oriente Médio. Suponho, talvez com inocência daqueles meus sete anos de idade, que isso contribuiu para que viessem obras como Pocahontas, O Príncipe do Egito, dentre outras. Além de tudo, são estímulos de diversidade, pluralidade temática e cultural, exercícios de abrangente sabedoria.

Vale a pena entender a importância de estímulos na infância e seus resultados para a sequência da vida. Em um mundo cada vez mais dinâmico, tecnológico, das telas e redes invisíveis, onde a educação escolar é praticamente a mesma de cem anos atrás cabe ao contexto social essa condução dos estímulos. Devo muito ao que pude exercitar na fantasia com desenhos, filmes, brinquedos, músicas e livros. Desta forma, vale registrar que o que você faz hoje pode ter muita relação com o que você teve na infância. Brincava na rua ou em casa? Via muitos desenhos? Quais? Seus pais e avós te contavam histórias?

Hoje escrevo utilizando meu lugar e meus olhares, só que de forma muito mais ampla porque tive em Aladdin, O Rei Leão, entre outros, primeiros e verdadeiros gatilhos para ser o escritor que sou hoje. É importante notar que absorver a diversidade de linguagens me fez um pouco mais empático. Não é regra, mas um atestado pessoal. A literatura pode gerar esses resultados. Um dos meus desejos é ser pai. Outro é que a leitura não seja vista como esse mostro de calhamaços subjetivos, de letras pequenas, longos e incompreensíveis. Desejo poder contribuir para o fomento à leitura, escrever cada vez melhor, com mais relevância e menos egocentrismo. Como não há gênio perto de mim minha lista de desejos ultrapassa o número três. Mas se houver alguma lâmpada, um gênio com a voz de Robin Willians, espero que realize o desejo de que crianças leiam, adultos leiam, sempre iluminando um mundo que muitos julgam cada vez mais obscuro e imprevisível. Se não perdi as contas o terceiro desejo é que todos sejam livres, inclusive você, gênio.

Como ter seu poema na FLIP 2018

Queremos transformar em pílula de poesia o seu poema. Queremos o Brasil inteiro presente na próxima FLIP.

Desde 2003, acontece em Paraty (Rio de Janeiro) uma das maiores festas literárias do país. Mais do que um evento sobre literatura, é uma manifestação cultural que foca na diversidade e dialoga literatura brasileira com literatura mundial. Vivenciar a FLIP é uma experiência marcante e única.

Em cada edição, um autor brasileiro é homenageado. Esse ano temos a poeta, ficcionista, cronista e dramaturga Hilda Hilst. Como a Poeme-se acredita na difusão da literatura brasileira e que uma dose de poesia muda a vida das pessoas, queremos que você participe, com suas palavras, desse evento. Nossas pílulas serão distribuídas de forma gratuita na Casa Santa Rita de Cássia todos os dias da FLIP.

Quer participar?

Para participar você deve preencher esse formulário aqui. Fique atento para o prazo final de envio: 17 de julho.

Marque seus amigos poetas, tire sua poesia da gaveta e vamos espalhá-la na FLIP!

Sobre fazer versos: o que é ser escritor no Brasil?

No dia 25 de julho comemoramos o dia do escritor e vamos dedicar o mês a essa persona que é força motriz de toda literatura. Buscando entender a vida de escritor, selecionamos 9 autores – exemplos de resistência e reinvenção – que nos contaram o que é ser escritor no Brasil.

 

1. Ana Paula Lisboa

Eu só percebi que estava “vivendo de escrever” quando eu já estava. Vá lá, ainda não paga todas as minhas contas, mas 60% no Brasil é tanta coisa… Para mim ser escritora no Brasil é depender de fatores externos e internos. Eu só posso falar mesmo por mim e falar de mim é dizer que sou uma mulher negra que escreve. Isso quer dizer também que na maioria das vezes o que escrevo é colocado para avaliação, o meu conhecimento sobre o tema é questionado antes mesmo das pessoas lerem o que escrevi. Outro ponto comum é o de muitas pessoas acharem que só sei – ou posso – falar sobre temas que tenham a ver com negritude, feminismo, favela… Todos esses são sim assuntos que perpassam a minha existência, mas que não me resumem. Por isso, apesar de estar nessa fase de escrever no jornal, eu prefiro a ficção, ainda que ela até pareça real. A ficção nos leva além.

Ana Paula Lisboa é autora de Olhos de azeviche, da editora Malê e colunista do jornal O globo.

2. Thiago Kuerques

É ser abraçado e levar um tapa, quase ao mesmo tempo. “Nossa, você é escritor!” – falam com admiração. Na sequência soltam “Tá, mas você trabalha com o quê?” Pesquisas recentes mostram que o brasileiro lê, em média, 4 livros por ano. É fácil entender por que não há valor, entender não ser visto como trabalho. O escritor pode desistir. Escolhi seguir em frente. Portanto, escrever no Brasil é plantar sementes e ficar contente com as poucas árvores que já estão dando frutos. Um dia seremos mais leitores. Enquanto isso, escrever no Brasil é, afinal, uma espécie de teimosia consciente.

 

Thiago Kuerques é autor de Território (Editora Chiado) e A Balada do Esquecido da Luva Editora.

3. Ana Cristina Mello

Viver num país de dimensões continentais deveria ser o bastante para suprir a imensa oferta de livros que editoras comerciais produzem, mas a realidade é bem diferente. Uma realidade que se divide em escritores popstars e escritores que comemoram cada leitor conquistado. De um lado, os escritores youtubers, escritores atores, escritores padres ou pastores, escritores autoajuda, entre outros. De outro lado, repousam os autores que buscam oferecer aos seus leitores textos que foram exaustivamente pensados e lapidados, que se propõem a oferecer uma obra na qual o leitor não saia do ponto final da mesma forma como era quando abriu a primeira página. Repousam autores que se envolvem com sua produção como se fosse um pedaço do próprio corpo, que ofertam o melhor que podem para seus leitores.

Hoje, ser escritor de literatura de ficção é produzir para os seus pares, para prêmios literários, ou seja, para reconhecimentos que não deixam de ser importantes, mas não deveriam ser o foco principal. Façam um teste. Entrevistem alguém que esteja lendo um desses livros da primeira categoria de escritores e questione se conhecem algum dos mais renomados autores contemporâneos de literatura infantil, juvenil e adulta. Não vale citar os cânones, vivos ou não. Cânones que algumas escolas ainda escolhem de forma exclusiva, preterindo toda a produção do século atual. Provavelmente responderão que nunca ouviram falar, independente da quantidade de prêmios que algum destes nomes tenham recebido.

Ser escritor hoje é resistir. É continuar plantando sementes em cada livro, cada palestra. É comemorar cada leitor que chega ao ponto final do seu texto e te escreve dizendo o quanto o livro fez diferença na vida dele. É resistir, sem perder o ideal de continuar acreditando no poder da literatura. Acreditando no poder que o leitor tem em mãos e, talvez, ainda não tenha descoberto.

 

Ana Cristina Melo é autora dos livros Dandi e a árvore palavreira e Delta: um comando para o tempo, além de liderar a editora Bambolê.

4. Tiago Germano

A perspectiva pode variar um pouco conforme a posição que o seu livro e a editora que o publicou ocupam no mercado, mas para a grande maioria de nós, ser escritor no Brasil, hoje, é ser constantemente subestimado por uma cultura pouco digna desse nome, em que qualquer atividade de pretensão artística atua sob o perpétuo estigma da mendicância ou da falta de responsabilidade. Não falo apenas do tratamento dispensado ao escritor por editoras, agentes, livrarias, revistas, prêmios conferidos por instituições literárias, críticos e resenhistas, ou até pelos próprios colegas escritores… Falo também do comportamento dos leitores, num país em que ler 55 páginas por dia parece uma excrescência até para um cidadão literalmente encarcerado, sem nada à sua volta além das grades de uma prisão e uma parede preenchida por meia dúzia de livros. Talvez fosse uma resposta desejável e bem mais agradável de se dar aquela que tentasse afastar a profissão de escritor dos mitos que costumam rondá-la, aproximando-a de outras profissões, com suas virtudes e desvirtudes, as contingências pontuais de qualquer atividade que envolva criação ou um capital intelectual cujo valor simbólico vai, inadvertidamente, transformar-se em capital monetário. Mas a grande verdade é que falar em profissão quando se trata de escrever é – e por muito tempo será, ainda – uma utopia contextual. Felizmente para nós, escritores, ainda não se conhece uma grande obra literária que não tenha brotado de uma mente que não se permite sonhar.

Tiago Germano é autor do livro Demônios Domésticos, publicado pela editora Le Chien e indicado ao Prêmio Açorianos de Literatura 2017.

5. Glau Kemp

Pra mim significa receber muito calor humano, o leitor brasileiro é apaixonado e adoro ter contato com eles seja em redes sociais ou pessoalmente. Mas ser escritor no Brasil é uma luta diária também. Todo o processo que acontece até o livro chegar nas mãos leitores é lento. Ser escritor é uma profissão e exige muito estudo e dedicação, mas é difícil um escritor conseguir se sustentar apenas escrevendo. Duas características são fundamentais para os novos escritores: persistência e paciência, é assim que se escreve livros no Brasil.

Glau Kemp é autora do livro Quando o mal tem um nome, sucesso na Amazon e que será publicado pela Verus Editora.

6. Lucas de Sousa

Ser escritor no Brasil é construir junto com outros parceiros de profissão um elo forte de incentivo à literatura brasileira. Não somente trabalhar a sensibilização para o gosto mágico da leitura, mas mostrar que há qualidade literária no Brasil. É desmistificar que o melhor sempre vem de fora, desmistificar que o Brasil é sim um país de leitores. Ser escritor no Brasil é lutar pelo seu espaço, ser acessível ao chamado dos leitores.

Lucas de Sousa é autor do livro O Encantador de Livros, publicado pela Ler Editorial.

7. Vivi Maurey

Acho que é tão difícil ser escritor no Brasil que eu tenho até medo de ser muito sincera e permitir que a resposta encontre lugares na minha mente que até agora tinham permanecido escondidos e alheios a esse fato. =P

Se a gente perguntar pros colegas autores de outros países, eles também vão dizer que é muito difícil, apesar de terem mais espaço, mais leitores, mais investimento e procura. Mas é um consenso: viver de arte é muito difícil onde quer que você esteja. Muitos ainda nem consideram profissão.

No Brasil, quando você fala que é escritor, as pessoas ficam esperando você terminar a frase e dizer sua verdadeira profissão, aquela que leva pão à mesa, como se a escrita fosse apenas um passatempo. Não à toa, já que as pesquisas nos dizem o quanto o brasileiro lê pouco e realmente parece que não existe muito mercado para nós. No entanto, esse quadro vem mudando. Com o aumento das vendas de livros focados na vida jovem adulta, o escritor, não apenas o que vende pra esse público, pode ter bem mais esperanças.

Por outro lado, por ser um mercado restrito e difícil, não basta apenas escrever um bom livro. O mercado está cada vez mais exigente. Você tem que ter redes sociais e engajamento, seguidores além de leitores, n talentos como gravar e editar vídeos, palestrar, dançar, cantar, nossa, daqui a pouco as editoras vão querer certificado de que já pisamos na Lua antes de aceitar publicar nosso livro.

É um problema isso porque tem muita gente talentosa que tá começando agora, que não tem privilégios básicos para conseguir trabalhar bem uma plataforma de leitores e não vive essa oportunidade de ter seu projeto publicado e divulgado. Além do mais, o mercado está exigindo uma maturidade e um desenvolvimento artístico de jovens iniciantes que não faz nem sentido. As editoras querem um produto pronto, pra não ter trabalho porque o tempo é escasso, mas ao mesmo tempo querem autores cada vez mais jovens para vender melhor para esse público que tá comprando. Isso, além de irreal, é uma pressão absurda em cima dessa galera que mal saiu da adolescência, e pode gerar frustração e depressão. Ter multitalentos e multitarefas pode vir naturalmente para alguns ou a custo de grande esforço para outros e funcionar, mas para muitos é uma grande barreira. Às vezes, a escrita, que devia ter o maior peso na hora de dar oportunidade para alguém ser publicado, não está nem na lista dos pré-requisitos das editoras, afinal, livro é produto, ele precisa ser vendido pra fazer o mercado acontecer e escrita nem sempre é uma exigência do público.

Eu escrevo porque preciso da escrita pra me entender e viver melhor, então fiz a escolha num belo dia de tentar viver disso, fazer da escrita minha profissão, mas não foi uma decisão tranquila. Não me arrependo e não quero mudar de profissão, mas confesso que ultimamente tem sido difícil convencer alguém novo de que é um bom caminho a se seguir. Hoje, quando me perguntam sobre ser autor no Brasil eu costumo dizer “Tem certeza mesmo de que é isso que você quer?”

Dito isso, acho que toda profissão tem suas dificuldades e quem realmente quer seguir a profissão, não existe outra forma sem ser passando pelo olho do furacão.

Vivi Maurey é autora de #Fui, publicado pela Globo Alt.

8. Moduan Matus

Ser escritor no Brasil é se encontrar em diversidades de objetivos e em tendências; ainda procurando um veio, tênue, de luz, de nobreza, rumo à eternidade universal.

O difícil é conseguir destaque estando em lugar-comum ou em constante ensimesmamento; ainda, alguns que conseguem tal projeção têm que passar pelo funil do mercado editorial e/ou adequar a(s) sua(s) obra(s) à realidade de massificação constante ou ao modismo de época, causando uma falsa originalidade.

Existem obras literárias fabricadas por midiatizações, para poderem cair no gosto comum ou viralizar, até porque as editoras visam o mercado promissor. Existem escritores marqueteiros que, de olho nos nichos, agem pela crista, criando uma literatura de fachada, de conteúdo duvidoso, servindo apenas à febre consumista dos leitores de superfície e ao entretenimento. E existe uma literatura objetiva, calcada no segmento cognitivo do cosmo literário e é neste veio que talvez se encontre o maior poder de criatividade, tornando a leitura viva, em movimento, ligando o maior número de possibilidades em absorções, desvendando fio a fio das meadas.

Ser escritor no Brasil não deve ser apenas modismo ou passatempo; é atrelar-se (ou engajar-se?) e se saber miscigenado de culturas, artes, dotado de ideias participativas, disposto às contextualizações e pertencimentos; escrevendo coisas consistentes que livrem do marasmo e da especulação literária e que atinem o raciocínio ao estranhamento; e que conduza a interpretação ao cerne da questão e promova mais e mais a libertação.

Moduan Matus é experimentalista em poética, escritor e historiador. Autor de As margaridas estão cada vez mais raras e História de Nova Iguaçu: recortes de uma cronologia ilustrada de 510 anos.

9. Juliana Daglio

Ser escritor no Brasil, antes de tudo, é um desafio. Não temos formação para isso em nossa educação, nem somos muito incentivados à leitura ou a escrita. Escrever é desafiar esse sistema. Procurar recursos para construir uma carreira, para aprender o ofício, divulgar, subindo degrau por degrau para chegar à realização desse sonho. E entender que não estamos sozinhos, que há muita gente que também está subindo esses degraus e que, juntos, podemos mudar o cenário para a melhor.

Juliana Daglio é autora de Uma Canção para a Libélula e seu livro de terror Lacrymosa será publicado pela Bertrand Brasil.

Gostaria de fazer alguma pergunta para nossos escritores de julho? Te aguardamos nos comentários =)

Hanny Saraiva

Muito além do arco-íris: 5 autores que afetaram o mundo

Muito além do arco-íris: 5 autores que afetaram o mundo

Eles são fortes influências na literatura e suas obras vão além de suas sexualidades. Os autores que escolhemos para homenagear nesse dia 28 de junho são escritores que trouxeram à tona o tabu da sexualidade e afetaram o mundo com suas obras. Cada um rasgou o mundo com palavras revolucionárias e pioneiras e como resposta – de alguma forma – foram rasgados pelo mundo.

CAIO FERNANDO ABREU
“Só que homossexualidade não existe, nunca existiu. Existe sexualidade – voltada para um objeto qualquer de desejo. Que pode ou não ter genitália igual, e isso é detalhe. Mas não determina maior ou menor grau de moral ou integridade.”

O “escritor da paixão”, como Lygia Fagundes Telles o define. Sua trajetória é marcada por temas transgressores e por experimentar várias linguagens é considerado um autor de apelo popular, sendo facilmente citado em redes sociais. Lutou contra a ditadura, viveu intensamente e morreu no dia em que nasceu, em consequência do vírus HIV.

Para ter afeto: Morangos mofados

OSCAR WILDE
“Se somos tão inclinados a julgar os outros é porque tememos por nós mesmos.”

O dramaturgo e poeta irlandês foi condenado a dois anos de prisão e trabalho forçado depois que o pai de um de seus amantes o denunciou por “cometer atos imorais com diversos rapazes”. Oscar Wilde é considerado o mais importante dramaturgo da era vitoriana e defendia o belo em contrapartida ao mecanismo da era industrial.

Para ter afeto: De profundis

FEDERICO GARCÍA LORCA
“É infinito o ar. A pedra inerte nada sabe da sombra e não a evita. Íntimo, o coração não necessita do congelado mel que a lua verte. Por ti rasguei as veias às dezenas, tigre e pomba, cobrindo-te a cintura com luta de mordiscos e açucenas.”

O autor espanhol foi preso por não esconder sua homossexualidade e sua crença no socialismo. Por ser considerado “mais violento com a caneta do que outros com revólver” foi morto sem julgamento, de costas, com um tiro na nuca.

Para ter afeto: Obra poética completa

ELIZABETH BISHOP
“Amor tem que ser posto em prática! Ao longe, um eco esboçou sua adesão, não muito enfática.”

Considerada uma das maiores poetisas do século XX de língua inglesa, morou no Brasil por duas décadas, vivendo uma paixão com a paisagista brasileira Lota de Oliveira. Foi a primeira mulher a receber o prêmio internacional Neustadt de Literatura, além de ser premiada com o Pulitzer de Literatura em 1956. Sua cartografia poética passeia pela fragilidade, pela percepção, pela perda, pelo verso intimista e a ambiguidade.

Para ter afeto: Poemas escolhidos de Elizabeth Bishop

JEAN COCTEAU
“Não aceito, porém, que me tolerem. Isso fere o meu amor ao amor e à liberdade.”
O poeta, dramaturgo, cineasta foi muito importante para o movimento surrealista, apesar de ter sido rejeitado por membros do surrealismo, sendo alvo de vários episódios de homofobia. O artista publicou vários ensaios criticando essa homofobia e lutava de peito aberto contra convenções esmagadoras e cruéis.

Para ter afeto: A dificuldade de ser

Compartilhe se acredita que amor é amor.

Hanny Saraiva

This is Machado ou o legado de Assis?

This is Machado ou o legado de Assis?

Analista da alma humana, crítico da sociedade brasileira, grande influenciador literário. Por que Machado de Assis ainda é forte autoridade? Qual a importância de seu legado?

Polivante e plural

A obra de Machado tem pouca descrição e muitos diálogos, um autor polivalente e plural, que vai desde romances à poesia e teatro. Sua obra é permeada por um discurso ágil e atemporal, pois seus temas abordam questões da alma humana e que ainda são fantasmas na sociedade brasileira. A crítica, a ironia, o senso de humor e o desencanto retratavam um ambiente que ainda detém problemas sociais como os descritos na época do autor e todas essas reflexões que o autor pontuava atravessam os tempos.

Inovador e contemporâneo

Machado já escrevia microcontos no século passado, quer coisa mais inovadora e visionária em tempos de redes sociais? Ele era expert em mergulhar na psique dos personagens e explorar suas características, não apenas com o objetivo de entreter o leitor, mas como uma forma de crítica à sociedade dominante. Além disso, foi o autor quem impulsionou o uso do narrador falando diretamente com o leitor e suas narrativas – repletas de ambiguidade – são sempre elaboradas com primazia.

Camiseta Saiba Amar

Autodidata

Em tempos de DIY, Machado de Assis já era rei desde século passado. Sem frequentar a universidade, aprendeu francês e inglês sozinho, foi um exímio revisor, inaugurou a escola de Realismo no Brasil e fundou a Academia Brasileira de Letras. Bem avançado, não?

Olheiro de MPB

Machado de Assis foi um dos primeiros escritores a perceber a importância do papel da música popular e sua influência na literatura. Por exemplo, “No conto Um homem célebre, Machado de Assis conta a história de Pestana, um compositor de polcas que sempre tenta compor obras eruditas, mas acaba no popular. Pestana seria o compositor genial que se acha incompetente, só por ser popular.” A música popular e a literatura andam entrelaçadas desde então.

Influencer dos livros

Se Machado vivesse nos dias atuais, com certeza ele seria um digital influencer dos livros. Seu legado se encontra na configuração de suas histórias. Ambiguidade, análise social, ironia, duplicidade, as palavras apresentadas de forma precisa e enxuta, essas heranças influenciaram diferentes autores como Olavo Bilac, Lima Barreto, Lygia Fagundes Telles, Érico Veríssimo. Sempre foi um moço ousado, com certeza ele teria um canal bombado.

Nossa contemporaneidade está cercada de desconfiança, às margens do ceticismo e da ironia. Assim como os personagens de Machado, estamos cercados de incertezas, em uma insegurança cotidiana e com uma discrepância social e política que nos coloca face a face com um Brasil que nos lembra muito o que Machado vivenciou, mudando apenas alguns detalhes de lugar.

Mas fico aqui a pensar: apesar de todo esse legado deixado e tudo o que o autor construiu se encaixar nos dias atuais, como seria Machadão no século XXI? Conta pra gente como você imagina nos comentários. =)

Hanny Saraiva