Posts in "Augusto dos Anjos"

5 imagens para entender Augusto dos Anjos – ou como o poeta continua influenciando gerações

5 imagens para entender Augusto dos Anjos – ou como o poeta continua influenciando gerações

Augusto dos Anjos é considerado um poeta maldito brasileiro e até hoje ainda se ouve por aí “Escarra nessa boca que te beija” como uma forma de chocar em verso. Encontramos em sua poesia o gosto pelo bizarro e pelo inusitado e é essa atmosfera grotesca que inspira vários artistas ainda hoje. Separamos 5 imagens para entender a potência de Augusto e como seu pequeno legado ainda continua influenciando gerações.

1. Em tirinhas

Augusto & eu são tirinhas de Val Fonseca, inspiradas na vida e nos personagens de Augusto, tendo a Morte como companheira, explorando as leituras do EU. Curiosidade: você sabia que o único livro do poeta “Eu” (1912) foi patrocinado por seu irmão? Uma autopublicação no começo do século passado. Avant-garde, não?

2. Em ilustração

Sua vida também inspira artistas como no traçado de Izaac Brito para o livro “Eu, Augusto dos Anjos – reedição 2014. A atmosfera de seus versos sombrios e agressivos, com um vocabulário pouco comum, é considerada inovadora e até hoje assusta leitores. Como dizia Silveira Bueno (1898-1989) “trata-se, sem dúvida, de uma poesia de monstros, mas também de uma poesia monstruosa.”

3. Em artes plásticas

Os poemas de Augusto dos Anjos também inspiram obras, como essa feita em nanquim sobre papel, de Flávio Tavares para o poema “Versos a um Coveiro I”.

Numerar sepulturas e carneiros,
Reduzir carnes podres a algarismos,
Tal é, sem complicados silogismos,
A aritmética hedionda dos coveiros!

Um, dois, três, quatro, cinco… Esoterismos
Da Morte! E eu vejo, em fúlgidos letreiros,
Na progressão dos números inteiros
A gênese de todos os abismos!

Oh! Pitágoras da última aritmética,
Continua a contar na paz ascética
Dos tábidos carneiros sepulcrais:

Tíbias, cérebros, crânios, rádios e úmeros,
Porque, infinita como os próprios números,
A tua conta não acaba mais!

 

4. Em centro cultural

O Memorial Augusto dos Anjos é um espaço cultural inspirado na arte e vida do poeta. A casa que abriga o centro cultural fez parte de sua infância e é um patrimônio histórico do município de Sapé (Paraíba) que apresenta diversas atividades com intuito de preservar a memória do poeta.

5. Em camiseta poética

content/uploads/2018/04/camiseta.jpg” alt=”” width=”1000″ height=”750″ />

Poeme-se não poderia deixar de fora o encantamento nuvioso de Augusto e já dedicou três artes à obra inspiradora do poeta. Qual sua preferida? Possui alguma sugestão de frase do autor que gostaria de vestir? Conta pra gente nos comentários.


Hanny Saraiva

 

 

 

 

 

 

Augusto dos Anjos de volta em versos íntimos

Augustos dos Anjos em nova camiseta literária

VERSOS ÍNTIMOS

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

 

O poema de Augusto dos Anjos foi a inspiração para o lançamento da camiseta literária Versos Íntimos. Por esse motivo, nos debruçamos na história do escritor e fizemos um infográfico mostrando a trajetória do poeta. Confira:


Conheça a camisetas que nasceu dos versos íntimos de Augusto dos Anjos:

Estampa Augusto dos Anjos by Julia Back

 

“É a Morte — esta carnívora assanhada —
Serpente má de língua envenenada
Que tudo que acha no caminho, come…”
Augusto dos Anjos 

Nossa camiseta lançamento do mês de outubro vem com toda força do Poeta Maldito, Augusto dos Anjos. A estampa-verso traz do trecho de “Poema Negro”, a única inescapável verdade da vida. Esta peça de arte foi ilustrada pela designer Julia Back, que também criou a arte da camiseta Edgar Allan Poe.

“Desenhar… o que uma vez foi a brincadeira preferida, acabou por desvendar mais tarde a palavra “arte” e desde então, sei para o que devo viver.”

– Julia Back. 

Julia é designer, ilustradora, graduada em Design Gráfico pela Universidade Federal de Santa Catarina e estudou Ilustração, na University of the Arts, em Londres. Ela nos conta um pouco sobre como foi o processo da estampa de Augusto dos Anjos:

Um poema sobre a morte, em que a dita cuja é comparada a uma serpente faminta e colecionadora de coisas. Só que as coisas são vidas. E quem é o próximo?! Não se sabe. Por isso a caveira destacada. Ela é a próxima.

O desenho foi feito manualmente, com observação de imagens de caveiras em rotação que tenho guardadas há tempos. Foi uma oportunidade legal de utilizar. A serpente foi um elemento novo no meu “repertório” visual, na verdade. Achei terapêutico desenhar escama por escama (Hehe).

Estampa Augusto dos Anjos

Estampa Augusto dos Anjos

Depois tudo foi passado para o bom e novo computador, especificamente para o “Illustrator”, e esquemas de cores foram estudados. E um escolhido. E então transformadas em máscaras de serigrafia. De um poema tão forte, foi assim que o enxerguei resumido em uma camiseta:

Gostei bastante do resultado, e acho que chegou numa estética sombria, que tem vários adeptos por aí quando o assunto é camiseta. Tomara que os fãs do Augusto dos Anjos gostem também.

 A Poeme-se com certeza adorou, Julia! 

Confiram a camiseta Augusto dos Anjos e deixe a poesia circular.
Para quem acredita que poesia é feita para ser vestida, Poeme-se!

www.poemese.com