Posts in "Entrevistas"

Poesia em Foco – George Patiño

“Poesia? Pois ia, pois foi, pois é.
E sempre será!”
Palavras à milanesa, que não é um blog gastronômico, foi o espaço virtual mais poeticamente temperado dos ganhadores da promoção Onde Mora a Poesia. É nesse espaço, onde muitos amantes da poesia matam sua fome, que George Patiño serve seus versos, crônicas, contos e críticas. Vejam a entrevista com o chef-poeta.
Como se deu seu envolvimento com a poesia?
Meu envolvimento com poesia acontece desde mais ou menos uns 12 anos de idade, quando comecei a rabiscar meus primeiros versos.
Como e quando nasceu esse espaço poético?
Meu blog nasceu em 2010. Batizei-o com o nome de “Palavras à Milanesa” com objetivo de escrever um pouco de tudo, de poesia, a crônica, contos, pensamentos, porém um pouco mais focado em poesias. 
Qual sua principal motivação para mantê-lo?
Minha principal motivação para manter o meu blog é dar vazão ao que tenho escrito e divulgar esse trabalho.
Qual o espaço que a poesia ocupa em sua vida?
O poesia ocupa um bom espaço na minha vida. Além de escrever, leio e pesquiso novos autores ou autores desconhecidos para mim. Também procuro passar isso para os meus filhos, que já declamam Cecilia Meirelles, com 9 e 6 anos.
O que acha de vestir poesia?
 A ideia de vestir poesia me agrada muito!!
Leia Palavras à Milanesa, Poeme-se!

Poesia em Foco – Carla Vergara

“Quando penso
que o aperto
vai matar o peito,
o nó vira laço
e eu borboleta.”
O Blog Místicas Femininas foi um dos espaços virtuais ganhadores da Promoção Onde Mora a Poesia que a equipe Poeme-se desenvolveu para mostrar a força que tem a poesia na web. Para saber mais sobre esse terreno binário entrevistamos a anfitriã desse território – Carla Vergara.
Poeme-se – Como se deu seu envolvimento com a poesia?
“…Acordei repentina com o desejo de realizar um blog. 10 de abril de 2009.” Afirma Carla, em uma postagem de aniversário de primeiro ano do blog (veja aqui), onde conta exatamente como foi influenciada pela atriz Elisa Lucinda e sua metodologia de falação de Poesia na Casa Poema.
Poeme-seQual sua principal motivação para mantê-lo?
Escrever não é minha escolha, é uma obrigação. A minha causa é ver um mundo mais humano, pessoas olhando-se mutuamente, respeitando as suas diferenças e encontrando-se nas suas essências.
Confesso que há algo muito prazeroso em escrever sempre. Trata-se da não linearidade na produção poética, isto é, criar poemas bons alternados com poemas “ruins” – o que me absolve de ter que ser uma boa poeta e apenas ser poeta – como deve ser na arte e na vida.  
Para se ter dimensão do espaço que a poesia ocupa na vida de Carla Vergara é só observar o seu trabalho. Veja os vídeos:
Poeme-seO que acha de vestir poesia?
Acho um charme vestir a poesia!
Leia Místicas Femininas, Poeme-se.

Poesia em Foco – Entrevista Vitor Nascimento

Poesia em Foco – Entrevista Vitor Nascimento

“As palavras vão caindo, jorrando
se esbarrando
entre refugos e tropeços
desacertos e recomeços
de um jeito mansinho, devagarinho
elas se acertam
confundindo, elas se completam…”
     Através de uma brincadeira em forma de promoção poética a equipe da Poeme-se pode conhecer melhor o delicioso mundo da poesia virtual. Coisas boas saltaram aos olhos como o blog gerenciado por Vitor Nascimento – Neo Sofismo em Voga. Confira a entrevista com o poeta.
Poeme-se – Como se deu seu envolvimento com a poesia?
A poesia se apresentou como o meio mais confortável de expressar o que me chama a atenção no cotidiano, o que me incomoda ao meu redor, o que me surpreende os sentidos, o que me excita os delírios… Acho divertido olhar para onde todos olham e ver o que ninguém mais vê. É uma espécie de impressão digital do olhar.
Poeme-se – Como e quando nasceu esse espaço poético?
Foi em meados de 2009. Recordo-me de estar bastante chateado com algo que havia acontecido no mundo (juro que não lembro o que foi) e eu falava com as pessoas, indignado, mas poucos me davam ouvidos e os que me davam, pediam de volta logo em seguida. Acho que tive uma “convulsão poética”. Resumindo: precisava pôr pra fora. E foi o que fiz. O resultado tá aí.
Poeme-se – Qual sua principal motivação para mantê-lo?
Eu comecei o blog bastante solitário e sinceramente despretensioso. Só divulgava pra alguns mais chegados. Recebia um elogio aqui e ali, uma crítica que me forçava a esclarecer algo que por ventura não tinha ficado bem entendido. Porém não parou aí. Apareceram pessoas que eu nem conhecia (e até hoje não conheço) opinando sobre o que havia escrito; os comentários foram ficando mais extensos e complexos; houve um aumento de demanda e tudo isso fez com que a ficha caísse e eu visse que não estava sozinho nessa. Lembro de um comentário emocionado de um amigo que narrava o quanto havia se identificado com um de meus textos. Foi quando percebi o caminho sem volta em que tinha me metido: meus textos já não me pertenciam. Escrevendo a mim, eu escrevo os outros. E tenho que prestar contas disso. É um barato!
Poeme-se – Qual o espaço que a poesia ocupa em sua vida?
O espaço de dentro e o de fora. Necessidades básicas: comer, beber, poemar.
Poeme-se – O que acha de vestir poesia?
Estilo de vida. E é importante que mais pessoas o adotem. Vejo gente de micro saia e gente encasacada até o pescoço, mas tá todo mundo vestido de pelado.
Visite o Neo Sofismo em Voga, Poeme-se.