Posts in "musica"

5 canções inspiradas na arte de Monteiro Lobato

5 canções inspiradas na arte de Monteiro Lobato

Já dizia aquele ditado popular “Quem canta, seus males espanta”. As manifestações musicais muitas vezes nos remetem àquelas memórias de infância de dia de domingo ou a eventos cheios de saudade que revivemos com aquele sorriso largo e que parecem se descortinar com cheiros e aromas à nossa frente. Quem nunca disse “Isso me lembra aquela música” e cantarola?

Como abril é o mês de Monteiro Lobato na Poeme-se, separamos cinco canções inspiradas na obra do autor para você reacender sua chama passada e sair cantando pelo dia. Ou quem sabe mostrar para seu pimpolho preferido e sair cantando com ele?  =D

1. Monteiro Lobato, Meire Pavão

A popularidade dessa música foi tanta que passou a ser prefixo do programa Sítio Do Pica-Pau Amarelo. Homenagem a Monteiro Lobato e seus personagens, foi gravada em 1968. Alegre e bonitinha, é uma ótima entrada para aqueles que não conhecem os personagens da obra de Monteiro.

2.Tristeza do jeca, Paula Fernandes, Renato Teixeira e Sérgio Reis

Monteiro Lobato, também criador do personagem Jeca Tatu, inspirou o hit de 1918, escrito por Angelino de Oliveira, considerado o maior clássico da música sertaneja brasileira.

3. Emília (a boneca gente), Baby do Brasil

Emília, a personagem mais famosa de Monteiro Lobato, foi sucesso nos anos 80 na voz de Baby do Brasil, parte integrante do álbum Pirlimpimpim (1982), um especial exibido em comemoração aos 100 anos de Monteiro. Clássico para quem viveu nos anos 80.

4.Sem medo de assombração, Ney Matogrosso

Parte da segunda versão televisiva de Sítio de Pica Pau Amarelo, Ney Matogrosso em 2005 criou uma variante mais nebulosa, porém tipicamente brasileira, com elementos extravagantes e sombrios.

5.O mundo encantado de Monteiro Lobato, Elza Soares

O samba-enredo de 1967 da campeã Mangueira fez muito sucesso, sendo Elza Soares a primeira mulher a puxar um samba-enredo na avenida. É “Sublime relicário de criança/Que ainda guardo como herança/No meu coração”.


Saudades dessas reinações? Quem você mais ama no mundo de Lobato? Conta pra gente nos comentários =)


Hanny Saraiva

CAZUZA E A BALADA DE WALY SALOMÃO.

Cazuza e a balada de Waly Salomão.

“Balada de um Vagabundo” é uma canção do primeiro disco solo do Cazuza lançado em 1985 logo após sua saída do Barão Vermelho. Apesar de trazer alguns clássicos como “Exagerado” (que nomeia o disco) e “Só as mães são felizes”, a faixa “Balada de um Vagabundo” é a que mais me chama a atenção nesse álbum. O mais curioso é que a letra não é do Cazuza e sim do poeta Waly Salomão, compositor de alguns clássicos da música brasileira, como “Vapor Barato”. Ele ainda foi responsável pela produção do disco “Veneno AntiMonotonia” da Cassia Eller, álbum em homenagem a Cazuza. Em toda sua discografia Cazuza gravou poucas músicas em que não participava da composição. E está foi a primeira. “Escrevi Balada de um Vagabundo para ele [Cazuza]. Teci este poema como mentira sincera de uma suposta simbiose Helio Oiticica-Cazuza. Como se os cavalos de Oiticica e de Cazuza tivessem baixado em mim”, dizia Waly Salomão. Cazuza achava que a música o defina muito bem. Gostava, especialmente, do trecho que resumia sua personalidade: “Eu sou o beijo da boca do luxo na boca do lixo.” Para quem não conhece, vale a pena ouvir! (:

Mini Biografia de Zuza Zapata

14 de Março – Dia Nacional da Poesia

Em homenagem ao poeta brasileiro que lutou pela abolição da escravatura, hoje, dia 14 de março, comemora-se no Brasil o Dia Nacional da Poesia. Foi ele, Castro Alves, que com seus versos de protesto, lutou bravamente para que a liberdade imperasse no Brasil, escrevendo poemas como “A canção do Africano” e “Navio Negreiro”, abaixo intertextualizado na voz de Caetano Veloso.

Hoje é dia de vestir com orgulho a poesia, pois ela fez parte da história da nação brasileira.

Poeme-se!