Posts in "política"

Literatura e política não é só um flerte

Uma das coisas mais relevantes que transmito nas palestras e oficinas que ministro, principalmente para aspirantes a escritores, é o questionamento sobre representatividade. Pergunto: vocês podem ser considerados representantes do seu espaço e do seu tempo? É, obviamente, uma provocação.

Recentemente conheci escritores de literatura negra, de literatura LGBT, literatura de periferia, literatura feminina, entre outros. Há quem diga ser reducionismo, onda de mercado e etiqueta para sobrevivência em nichos. Não é isso que importa aqui. O mais relevante é ter sido um conhecimento recente. Os debates sempre existiram, mas não nessa potência justa. Racismo, homofobia, segregação social e questões de gênero existem desde que o mundo é mundo. Acontece que o que para os pessimistas é sinal de tempos ruins (dizem que nunca se viu tanto discurso de ódio), para os otimistas é o despertar para novos caminhos, uma nova configuração mais próxima do respeito e da justiça. Mesmo com os exageros, perdoem. Até quem está, em teoria, correto comete seus excessos. Estamos em reformas, diria a placa pendurada na porta do planeta.

É impossível separar o ser político do ser literário. É impossível separar o ser social do ser artístico. Os autores refletem seu contexto histórico independentemente do tipo de obra que realizam. Romeu e Julieta, por exemplo, não é Shakespeare falando sobre o amor romântico na Verona do século XVI. A época mesmo não foi tratada como uma peça sobre o amor puro. Seu viés é, originalmente, político. Retrata questões sobre ordem política e todo o contexto sobre a configuração familiar daquele período. Como tudo em Shakespeare, a realeza é a grande chave e alvo de debates.

A escola chamada de Realismo trouxe ainda mais marcante a característica do ser político em uma obra de ficção. Dom Casmurro oferece a visão sobre o Brasil Império, as relações entre as famílias e a religião católica, como casamentos eram forjados e o contexto do Rio de Janeiro do final do século XVIII. Há poucos meses li Contos Negreiros de Marcelino Freire, de 2005, e vi toda a realidade de negros pobres no Brasil desse século XXI.

Sobre a pergunta inicial do artigo, a maioria fornece um incômodo latente, muito pela responsabilidade de ser um representante do seu tempo e espaço. Devem se perguntar se são dignos disso. Explico sobre inerência do ato. Não conseguimos fugir do que somos, do que vivemos, do que enxergamos, do que sentimos. Tudo isso aparece em nossa literatura. Seja ela inclusiva ou exclusiva. Seja ela falando que foi golpe ou não. Seja ela retratando seu incômodo com a alta do dólar ou o preço dos ovos, aqueles que a galinha chorou. Quando dizem que Monteiro Lobato era racista, temos duas coisas a atentar: ele era representante de um tempo e espaço em que isso era natural (que pena, de verdade), principalmente por sua posição social; e temos de ser anacrônicos, afinal, é muito bom poder ter esse olhar mais apurado que continuar achando que esse tipo de coisa seja normal também hoje. Portanto, não diminui a obra. Santificar sempre foi mais nocivo mesmo.

Leon Tolstói retrata o período antes da Revolução Russa em Guerra e Paz. Jorge Amado fala abertamente sobre coronelismo e uma sociedade oligárquica em suas obras. O relacionamento entre literatura e política não é um flerte. É caso antigo, nada platônico e fadado a impossibilidade do divórcio. No final, é claro, me perguntam se sou coxinha ou mortadela. Caso não desperte o debate ao menos abre o paladar. Se você, leitor, também está perguntando isso peço que volte ao início do texto e releia mesmo, com carinho. É literatura, é política. Impossível separar um do outro.

Por um mundo de intervenção literária!

Por um mundo de intervenção literária

Se viéssemos do futuro e espiássemos os governos atuais, o que nosso eu acharia de tudo isso que está acontecendo na política? Estamos a um passo de nos transformarmos em personagens de House of Cards ou em personagens de Handmaid’s Tale? Às vezes só a ficção para entender o desequilíbrio e os golpes políticos que a vida tem recebido. E já que “vestir-se é um ato político” – como disse Ronaldo Fraga – qual política visual te define?

Camiseta Intervenção literária

Se você também acredita que o caminho do país é através da educação, dos livros, da cultura, você também faz parte dessa militância literária. Vista essa ideia!

Camiseta Karl Marx

Se você é como o pai do manifesto comunista e do livro O Capital e tem uma ânsia de transformação, essa camiseta é seu aporte.

Camiseta Nicolas Boileau

Por que acidez nunca sai de moda? Porque “um idiota sempre encontra um ainda mais idiota para admirá-lo.” Para aqueles que adoram ironias.

Camiseta Emma Goldman

Filósofa anarquista, feminista e defensora da emancipação da mulher, acreditava em conceitos inovadores como amor livre. Emma Goldman deixou seu nome na história por conta de sua militância, base de sua literatura. Perfeita para personalidades emblemáticas.

Camiseta Montesquieu

Por menos blah blah blah e mais reflexão! Você acha que Montesquieu, um dos grandes pensadores do séc. XVIII, apoiaria esse mi mi mi político? Suspeitamos que o criador de O Espírito das leis é a favor de você vestindo essa camiseta e não fazendo dancinha verde e amarela.

Camiseta Refresque suas ideias

De que fonte você anda bebendo? Qual autor refresca sua mente sedenta? Para aqueles que acreditam que livros mudam pessoas.

Camiseta Rosa Luxemburgo

Para estampar no peito o que todo mundo deveria seguir: “Só existe liberdade quando as pessoas podem pensar diferente de nós.” Por uma cultura de menos ódio e mais tolerância.

A vida imita a ficção ou a ficção é um grito latejante da vida? No que você acredita?

“Quando aniquilaram o Congresso, não acordamos. Quando culparam terroristas e suspenderam a Constituição, também não acordamos. Disseram que seria temporário. Nada muda instantaneamente. Você seria fervido numa banheira de aquecimento gradual antes que percebesse.” – Offred, Handmaid’s Tale –


Hanny Saraiva