Quem disse que o cinema não é uma das mais belas formas de se fazer poesia? Pensando nessa ideia, aqui na Poeme-se nos unimos com o Ponto Cine para lançar 4 camisetas na Coleção Monstros do Cinema Nacional.

A coleção foi criada a partir da curadoria de Adailton Medeiros, fundador do Ponto Cine e agitador cultural da zona norte do Rio de Janeiro. “A proposta surgiu da necessidade de mostrar o quanto a literatura influencia a 7ª arte e como é rica a história do cinema brasileiro”, conta Adailton. Três estampas homenageiam os maiores nomes do cinema nacional: Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos e Cacá Diegues. E uma quarta camiseta faz parte de uma reedição do projeto Ponto Cine. Vem conhecer:

Camiseta Glauber Rocha 

A biografia de Glauber da Rocha se confunde com a história do Cinema Novo no Brasil. O movimento criado por cineastas a partir da década de 1950 discutia novos rumos para a produção do cinema nacional, que sofria com diversas questões que impediam a realização de filmes com qualidade técnica. Uma das maiores premissas do Cinema Novo era romper com o modelo do cinema norte-americano, aproximando-se mais do neo-realismo italiano e da “nouvelle vague” francesa. Além disso, apoiando-se na máxima “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”, esses cineastas buscaram então produzir filmes deixando de lado recursos financeiros e técnicos, a fim de criar produções mais populares, ligadas à verdadeira realidade brasileira. O primeiro filme do Cinema Novo foi “Rio 40 graus” de Nelson Pereira dos Santos.

cinema nacional (1)Na segunda fase do Cinema Novo, um dos grandes destaques foi “Terra em Transe”, de Glauber Rocha, que foi selecionado para a mostra competitiva do Festival de Cannes, mesmo com o Itamaraty em oposição, que havia indicado “Todas as Mulheres do Mundo”, de Domingos de Oliveira. Embora não tenha vencido em Cannes, a película acumulou os prêmios de Luis Buñuel, da Federação Internacional de Imprensa Cinematográfica e premiações na Suíça, em Cuba e no Brasil.

Para estampar nossa camiseta, o filme eleito foi talvez a maior obra cinematográfica que Glauber Rocha criou: “Deus e o Diabo na Terra do Sol”,  que narra o drama dos miseráveis na seca nordestina contra os grandes latifundiários. Um dos maiores ícones do Cinema Novo.

 

Camiseta Cacá Diegues 

camisetas de filme (1)Cineasta, pensador e escritor, do Cinema Novo ao pós-retomada, Cacá Diegues, é um dos pilares da 7ª arte brasileira, uma lenda viva. Acumula em sua biografia diversos prêmios e reconhecimentos nacionais e internacionais por suas obras, como em como Cannes, Veneza, Berlim, Nova York, Toronto. Seus filmes tem a liberdade como uma das temáticas mais dominantes. Algumas de suas obras são “A grande cidade”, “Os herdeiros”, “Quando o carnaval chegar”, “Xica da Silva”, “Bye-bye, Brasil”, “Quilombo”, entre outros…

Na curadoria de Adailton, a comédia “Deus é Brasileiro” foi a eleita para ilustrar nossa camiseta. O filme é uma adaptação do conto “O Santo que não Acreditava em Deus”, de João Ubaldo Ribeiro. Na obra de Cacá Diegues é possível acompanhar o Deus brasileiro, interpretado por Antônio Fagundes, que está atrás de um substituto temporário para que ele possa tirar férias de seus afazeres celestiais. 

Camiseta Nelson Pereira dos Santos 

Nelson Pereira dos Santos é um dos maiores cineastas do Brasil. Ocupante da cadeira 7 na Academia Brasileira de Letras, cujo patrono foi Castro Alves, Nelson é o primeiro cineasta a se tornar membro da ABL. Ele filmou uma das maiores obras-primas da literatura: é dele o filme Vidas Secas, baseada no livro de Graciliano Ramos, sendo um dos filmes brasileiros mais premiados de todos os tempos. Mais tarde, faria a adaptação de Memórias do Cárcere, também de Graciliano.

camiseta de cinemaEm toda a sua trajetória cinematográfica podemos perceber que Nelson Pereira dos Santos tinha como missão retratar em seus filmes sua visão sobre o Brasil. Um dos precursores do Cinema Novo, ele escolheu mostrar um país diferente do que vemos nos cartões postais, foi desde a pobreza da seca, até a história de um sambista suburbano, em “Rio, Zona Norte” – filme escolhido para ilustrar a estampa de nossa camiseta. Nessa película vemos Espírito da Luz, compositor de sambas interpretado por Grande Otelo, viver um drama ao tentar emplacar suas músicas e ser enganado pela indústria fonográfica. Após um acidente de trem, ele relembra diversas passagens de sua vida em um bairro da zona norte carioca.

 

Camiseta Arroz, Feijão e Cinema

camiseta legal de filmeEssa camiseta é uma reedição de uma criação do próprio Ponto Cine. A estampa “Arroz, Feijão e Cinema” nasce da ideia que o cinema faça parte da cesta básica de nossa gente. Essa frase resume o que é a iniciativa do Ponto Cine: popularizar o cinema através da criação da Primeira Sala Popular de Cinema Digital do Brasil. Tal ação transformou o Ponto Cine na maior exibidora de filmes brasileiros em todo o Brasil, vencedora de 9 prêmios, dentre eles o Faz Diferença, dado pelo Jornal O Globo em 2008, na Categoria Cinema, pela facilitação e democratização do acesso. Nos últimos cinco anos, com seus 73 lugares, provocou um deslocamento do bairro suburbano de Guadalupe, Zona Norte do Rio de Janeiro, das páginas policiais para os Cadernos de Cultura dos principais Jornais, Revistas e TVs, e a abertura de 17 salas comerciais de exibição no seu entorno. Ficou com vontade de conhecer mais sobre o Ponto Cine? Acesse aqui.

 

 

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *