Posts tagged "Inocência"

Desconstruindo Maca-béa – quem?

Desconstruindo Maca-béa – quem?

Imigrante. Subalterna. Invisível. Quem é mesmo Macabéa?
Ela é a representação de uma sociedade de imigrantes. Em um mundo contemporâneo onde Trump afirma livremente que a fronteira utilizada pelos mexicanos é “um aspirador, levando as drogas e a morte diretamente aos EUA”, tocar na questão de imigrantes parece atemporal. Escrita em 1977, A hora da estrela, de Clarice Lispector nos presenteia com Macabéa, uma personagem jovem que passa pelo processo de invisibilidade e emudecimento. Sua vida é narrada através do fictício Rodrigo S.M. Órfã, ela vai para o Rio de Janeiro morar em uma pensão – após a morte de uma tia que a humilhava – e trabalhar como datilógrafa e continuar submissa – agora em relação ao chefe e às relações sociais/amorosas que se envolve.
Parece a história da sua vizinha? Pois bem…
Para os imigrantes têm-se os piores trabalhos e perseguições que podem causar riscos até de perda de vida. No documentário de Denise Garcia Bergt sobre refugiados na Alemanha, vemos por exemplo que o país abriga sim refugiados, mas os deixa confinados em espaços que não são públicos, limitando a liberdade de ir e vir. Macabéa é livre? Está integrada à sociedade?
Afinal, Macabéa é quem?

Ela é “inocência pisada, de uma miséria anônima.”

Macabéa apenas existia, sem desejos, sonhos, perspectivas de mudança. Excluída como muitos brasileiros que saem de suas cidades para outras, ela é fruto de uma desigualdade social que a aliena. Vai de um estado à outro, se locomove, mas continua invisível e ingênua, sem poder falar, sem saber como se expressar. Carrega junto de si sua miséria, que não tem rosto, mas está presente em seu corpo e coloca em questão a situação de vários brasileiros que andam conforme a massa, perdidos.

Ela é aquela que “Precisava dos outros para crer em si mesma, senão se perderia nos redondos vácuos que havia nela”.

Macabéa é símbolo de uma sociedade que copia a moda do Instagram, que compartilha correntes porque um grupo a enviou, que repete movimentos, gestos e selfies do outro para tentar fazer parte de um todo. Ela é uma tentativa de desabrochar, tentando a todo custo se inserir para que não tenha que ser diferente.  Mais de quarenta anos se passaram e ainda cruzamos com muitas Macabéas por aí.
Ela é aquela que sabia que “Pois que vida é assim: aperta-se o botão e a vida acende. Só que ela não sabia qual era o botão de acender. Nem se dava conta de que vivia numa sociedade técnica onde ela era um parafuso dispensável”.
Macabéa é uma peça no maquinário, onde o patrão é Deus e o funcionário um reles contribuidor funcional, descartável. Esse botão só será aceso quando ela descobrir sua identidade. Quando a construir. Como está excluída e marginal, só através do encontro com o EU SOU é que encontrará o botão de acender. Você já se perguntou quem é você hoje? Como anda a construção de sua identidade? Ao revelar o abandono e a violência vivenciada por Macabéa, Clarice Lispector nos mostra a sensação de desajuste e nos faz pensar sobre os direitos básicos individuais, no valor da cidadania, na importância de cada um, em como se constrói identidades.

Ela é aquela que não percebe que “Porque há direito ao grito.Então eu grito” mas que nos deixa, como leitores, com vontade de gritar por ela.

Gritamos.

gif de frito


Pensando na importância da personagem dentro da literatura brasileira, a camiseta “Maca-béa” é uma homenagem a todas as Macabéas que resistem à dureza da vida e que esperamos que possam gritar bem alto sua Hora da estrela.


Hanny Saraiva