Qual apaixonado por livros não sonhou – pelo menos uma vez – nascer em uma família literária? Normalmente os book wormers são a exceção da família e sonham com parentes com o mesmo gosto que eles. Pensando no quesito “vida, inspiração para ficção”, separamos 10 curiosidades sobre a família Brontë, uma família de artistas que não apenas eram portadores de uma genialidade literária, mas que tiveram em suas linhas de vida um quê de mistério, poesia e tragédia.

1. As irmãs escreveram mais na infância do que na vida adulta

Um dia, por causa de um presente que ganharam do pai, as irmãs Charlotte e Emily inventaram um romance gigantesco em torno de um soldadinho de madeira, com colaborações dos irmãos Branwell e Anne. Um reino fantástico chamado Angria, na África. Nesse reino a família escreveu histórias violentas e extraordinárias. As irmãs Brontë, na verdade, escreveram mais quando eram crianças do que quando adultas. A família escrevia poemas, criava mundos imaginários e desenhava em um quarto que denominavam “nosso estúdio”. Um dos livros de Charlotte, na infância, por exemplo, tinha mais de 60 mil palavras, escritas numa caligrafia minúscula.

2. A família usava codinomes em suas obras

Como viviam em uma época onde mulheres não eram consideradas capazes de trabalhar ou escrever, as irmãs apresentaram suas primeiras obras com codinomes. Anne, Charlotte e Emily passaram a ser chamadas por Acton, Currer e Ellis Bell.

3. O primeiro volume de poesias da família vendeu 2 cópias

O primeiro livro de poesias que as irmãs escreveram data de 1846 chamado Poems by Currer, Ellis and Acton Bell e vendeu poucas cópias. Sim, duas cópias. Foi o fracasso dessa obra de poemas que fez com que as irmãs se aventurassem pelo universo do romance já que no ano seguinte houve a publicação de  Wuthering HeightsJane Eyre, and Agnes Grey.

4. Wuthering Heights pode ser considerada uma obra de autopublicação

Considerada um best-seller internacional e a obra mais conhecida, Wuthering Heights não encontrou uma editora logo de cara. Então Emily pagou 50 libras para que o livro fosse publicado e o editor não tivesse prejuízo. Na época, a venda foi um fiasco e Emily faleceu sem conhecer o sucesso da obra. Ironicamente, em 2007, um raro exemplar da primeira edição foi vendido em leilão por 114 mil libras.

5. Quase não há filmes sobre a vida dessa família

A própria vida de seus membros daria pano para ótimos filmes, mas pouco se produziu sobre o núcleo familiar. O que temos até hoje:

  • A vida das irmãs Brontë foi apresentada nas telas cinematográficas a primera vez em 1946, no filme americano Devotion;
  • Foi só em 1979 que houve um novo filme sobre as irmãs Brontë, o francês Les Soeurs Brontë;
  • Em 2016, o canal BBC One retratou a publicação dos primeiros romances das irmãs e a morte de Branwell no filme To Walk Invisible.

6. Charlotte Brontë queria ser pintora

Charlotte desejava mesmo ter sido uma pintora profissional e duas de suas obras fizeram parte de uma exposição no Leeds, em 1834. Em 1848 a editora Smith, Elder & Co queria que Charlotte Brontë ilustrasse a segunda edição de Jane Eyre, mas ela recusou.

7. Anne Brontë escreveu uma das primeiras obras feministas consistentes

A segunda obra de Anne, The Tenant of Wildfell Hall foi publicada em junho de 1848 e rapidamente tornou-se um sucesso, esgotando-se em seis semanas. O livro abordava uma mulher que abandonava seu marido alcóolico e agressivo, o que chocou a sociedade inglesa do século 19. Numa época onde uma mulher casada não se via independente do marido, a obra é considerada uma das primeiras a abordar o viés feminista com consistência, já que lidava com um assunto considerado polêmico: o moral misógino da era vitoriana.

8. Charlotte ajudou a popularizar o nome Shirley

Foi com a ajuda de Charlotte e seu romance, Shirley, que mais moças começaram a ser nomeadas como Shirley. Considerado um nome masculino, foi a partir de 1849 que o nome se popularizou entre meninas.

9. Emily Brontë era uma exímia atiradora

O pai das irmãs Brontë ensinou Emily a usar uma arma nos anos de 1840. Ele atirava todos os dias como uma medida de prevenção e quando sua visão começou a falhar, o pai deu à Emily a responsabilidade de continuar realizando essa tarefa, pois acreditava que a filha tinha firmeza e era corajosa.

10. A morte de Branwell desencadeou uma série de fatalidades

Dois meses depois da publicação dos romances das irmãs, o irmão Branwell falece, vítima de sua bebedeira, encerrada em 1848. Branwell era o mais talentoso da família, se sobressaía como poeta, pintor e como professor particular. Seus poemas eram apreciados por Samuel Taylor Coleridge e os retratos que pintou das irmãs são considerados super fiéis. Todavia, ele tinha o álcool e o láudano como amigos e dizem que “morreu de pé, recostado na lareira, apenas para provar que isso poderia ser feito.” Foi a morte do irmão que desencadeou uma série de tragédias na vida familiar. Emily, querendo homenagear o irmão, foi ao enterro descalça e durante uma tempestade pegou tuberculose, morrendo três meses depois. Anne foi contagiada pela doença e poucos meses depois também veio a falecer. Em 1854 Charlotte se casou e morreu antes de completar uma gestação de seu bebê. A família não deixou descendentes.

A vida e o destino trágico de seus membros parece um conto gótico, não? Qual das obras você mais se identifica? Conta pra gente nos comentários. =D

curiosidades sobre a família Brontë
família Brontë - Hanny Saraiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *