Posts in "Halloween literário"

6 livros para desvendar o terror na literatura

6 livros para desvendar o terror na literatura

Outubro. Mais conhecido como o mês de terror. Entre clássicos que continuam nos arrepiando e tendências que fazem com que o gênero sempre se revigore, separamos 6 livros que consideramos essenciais para desvendar como o terror na literatura ganha adeptos e não morre. Afinal, o gênero lida com o que sempre encantou os humanos. O que há por trás do desconhecido?

1. As coisas que perdemos no fogo, de Mariana Enriquez

Esse livro de contos da argentina Mariana Enriquez é uma voz em sussurros. Seus contos nos envolvem de uma forma que parece que tem alguém contando a história ao pé do ouvido. Sua técnica narrativa explora o estranho com maestria. Com uma vivência periférica ora tediosa, ora sufocante, ora singela e poética. Sempre deixando marcas de horror. É um livro obrigatório para quem quer montar um clube de livros de terror.  Suas histórias merecem ser lidas em voz alta.

2. Frankenstein, de Mary Shelley

Considerado um marco na literatura de terror, no início era um conto sobre um jovem estudante que desejava criar um ser ideal, onde colocava vida em um cadáver. Escrito por Mary Shelley aos 19 anos, tornou-se um clássico por se aventurar na ciência, no horror gótico e romântico e na sede de conhecimento. Com mais de 200 anos, parece atemporal por explorar a linha tênue de “o que se deve e o que não se deve fazer” quando o assunto é pós-morte.

camiseta literária mary shelley

3. Quando o mal tem um nome, de Glau Kemp

Minha grande birra com livro de literatura de terror nacional é essa mania de copiar autores estrangeiros, mas o grande destaque de Glau Kemp é sua voracidade em reinventar o que já conhecemos. Não temos aqui uma trama original, do tipo “nunca antes escrita”.  Encontra-se então a maestria em reconstruir uma história já conhecida – o filho do mal – com toques de agonia, técnicas de suspense e verossimilhança. A presença do real e o fantástico é aterrorizante. Não sabemos até que ponto o que os personagens vivenciam é fruto de uma obsessão real ou do mal encarnado em nível máximo. A grande conquista da narrativa é nos deixar nessa corda bamba “isso é coisa da cabeça do personagem” ou “ai meu Deus, não, isso é coisa do mal puro!”

4. Drácula, de Bram Stoker

O mais famoso vampiro é o monstro de ficção mais citado no Guinness Book. Publicado em 1897, o folclore romeno é seu mote inspirador. Pode ser considerado o vampiro mais humano. O realismo explorado é seu grande trunfo. Além disso, possui a potência de Mina Harker. Forte figura feminina, belíssimas e marcantes descrições de cena, além de uma colagem de pontos de vista que determinam a diversidade e amplitude da obra.

camiseta literária bram stoker

5. O Chamado de Cthulhu e Outros Contos, de H. P. Lovecraft

Lovecraft é um autor de imagens e esse livro de contos passeia pelo seu talento visual. Você pode fechar os olhos e ver claramente o que ele descreveu. Parece que podemos presenciar o horror e isso é uma técnica explorada por ele com maestria.  Usando linguagem rebuscada e frases grandes. Um autor difícil, mas não tem como não se sufocar com suas palavras.

camiseta literária H.P. Lovecraft

6. Sempre vivemos no castelo, Shirley Jackson

Excelente suspense psicológico. Shirley produz uma narrativa seca e mega poética simultaneamente. O trunfo do livro é o mundo de delírio construído. A atmosfera é encantadora e assombrosa. A relação da família com o vilarejo, o vínculo entre os personagens, a peculiaridade do medo, a construção da histeria coletiva, a casa como fortaleza e abrigo, os sentimentos extremos entre amor e ódio e os rituais de existência são pontos abordados na trama de forma majestosa.

“Quando abri a porta da cozinha para entrar, senti logo que a casa ainda abrigava raiva, e me admirei por alguém conseguir manter uma emoção por tanto tempo.”

camiseta literária pessoas normais me assustam

Por que você é um apaixonado pelo universo de terror? Conta pra gente nos comentários. =D

Hanny Saraiva