Não é de hoje que o humor se relaciona com a literatura. Essa história é longa. Na Grécia Antiga, Aristóteles já dizia que “o riso é próprio do homem” e Horácio, na sua Roma Clássica, dizia que “castigamos os costumes através do riso”. De lá para cá, os autores têm levado isso muito a sério. Então, o humor é bom para a literatura.

Porém, nem sempre o humor foi tão normal assim. Às vezes não é tão fácil identificar a graça, pois ela é uma técnica refinada. Mas, como diz o poeta: Pessoas normais me assustam. O humor é diferente do deboche puro e simples. O deboche não é inteligente, não é refinado. Ele é desprovido de elementos de referência, sendo apenas um ataque direto.

camiseta de humor Pessoas normais me assustam

Ver coleçãoPessoas normais me assustam

Autores como Kafka brincam com as tormentas da mente humana exteriorizando as nossas próprias metamorfoses. “Quando Gregor Samsa acordou de uma noite de sonhos agitados viu-se transformado num monstruoso inseto”.

Mas a literatura, como diria o barbardo Rafael Ottati, “só acontece quando fechamos o livro”. Ela está para castigar os costumes como, por exemplo, quando ela transforma Kafka em Kafta para gracejar a fala de um Ministro: “Quando certa manhã um inseto monstruoso acordou de seus sonhos intranquilos encontrou-se no congresso metamorfoseado em ministro.”

camiseta de humor  Kafta do ministro

Ver coleçãoKafka

Não pense que só grandes autores estrangeiros são os mestres do humor. Lembremos de um menino negro, autodidata, que quando moleque era chamado de Joaquim. Quando maior, conquistando seu espaço com o sobrenome que o consagrou, Machado de Assis, ele escreveu textos como O Alienista para criticar os costumes pomposos e solenes da sociedade carioca do seu tempo. Ou até, quem nunca riu com Ariano Suassuna em seu Auto da Compadecida, com seu Chicó e seu João Grilo?

O humor na literatura não está só nas palavras contidas nos livros, mas também pode ser utilizado para brincar com os nomes dos autores. Quem nunca chamou Agatha Christie de A Gata Triste? Ou cantou Born to be Wilde em homenagem ao próprio Oscar Wilde? E por aí vai. Se você tiver mais brincadeiras com nomes de autores, compartilha nos nossos comentários.

camiseta de humor Born to be wilde

Ver coleçãoOscar Wilde

Não pense que só a literatura é freguesa do humor. René Descartes, grande filósofo, aparece em um drifting alucinante com seu boné de Mario Bros na estampa René de Kart. Em época de Fake News, Raulzito Seixas aparece despojado, descansando sentado em uma escada, lendo seu jornal e pensando “Eu não preciso ler jornais, mentir sozinho eu sou capaz”.

camiseta de humor René de karte

Ver coleçãoRené Descartes

A literatura também se autocritica e se transforma, ganhando nova roupagem. O crítico satírico Nicolas Boileau aparece dizendo “Um idiota sempre encontra um ainda mais idiota para admirá-lo”. Na sua época, poderia se referir a ele mesmo, hoje em dia, não falta ressignificado.

Camiseta de humor Nicolas Boileau

Ver coleçãoNicolas Boileau

Por fim, nós que produzimos conteúdo rimos de nós mesmos, pois muitas vezes somos fantasmas. Somos caçados por gente que tem boas ideias, mas não sabem como colocá-la no papel. Aí, nessas horas, para pegar um Ghost Writer, quem você vai chamar?

A Poeme-se está para estrear a sua linha de humor literário. Nós, os barbardos, queremos saber de vocês: vocês sabem alguma anedota ou pegadinha literária?

Deixa aqui nos comentários.


Leia também:

O HUMOR É BOM PARA A LITERATURA? Mini-bio ario Felix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *