1984 é um livro mundialmente celebrado. A obra trata de uma temática que não poderia ser mais atual: o que pode ocorrer com uma sociedade altamente vigiada? E quando essa vigilância transforma-se em mecanismo para controlar as pessoas? Pensando nesse contexto, hoje o blog apresenta um resumo de 1984 de George Orwell, destacando seus principais pontos e como eles se relacionam com os dias atuais.

(confira também a matéria: Trump – o mecenas da literatura ou o mais novo Grande Irmão? 

O livro 1984 foi publicado em 1949 por George Orwell. O escritor, que na verdade chamava-se Eric Arthur Blair, nasceu em 1903 na Índia Britânica e teve seu estilo marcado por estilo bem-humorado, contrário ao totalitarismo e atento às injustiças sociais. Suas principais obras, além de 1984, são “A revolução dos bichos”, “Dias na Birmânia” e “A Flor da Inglaterra”.

Resumo de 1984: 

resumo de 1984 (2)

A história se passa no ano de 1984, em um futuro distópico onde o Estado impõe um regime extremamente totalitário para a sociedade, através da vigilância do Grande Irmão, imposta pelo partido (Ingsoc), onde ninguém escapa do seu poder. Assim, o local do romance, Oceania, é dominado pelo medo e pela repressão, pois quem pensava contra o regime era acusado de cometer um crime (no livro, crimideia, ou crime de ideia, na tradução de novilíngua, idioma do futuro).

No romance, o persongem principal, que representa o contraponto ao regime, é Winston Smith. Logo ele começa a questionar o modo como age o Estado. Winston faz parte do Ministério da Verdade, tendo como função alterar dados para que toda a história, comunicado e documento estivesse de acordo com o que o partido pregava. A crimideia acontecia justamente quando alguma pessoa era denunciada por questionar esses documentos. A punição era aplicada pela Polícia do Pensamento, que eliminava a pessoa. “Crimideia não acarreta a morte: crimideia é a morte.”

resumo de 1984 (3)

O livro marcou não só sua geração por já ter nascido tocando em assuntos polêmicos, mas influenciou vários pensadores, obras e até a cultura pop. Abaixo, listamos as principais curiosidades de 1984:

– O livro possui citações marcantes, como: “Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado”

– Esse romance, apesar de contar a história no futuro, foi inspirado em regimes totalitários das décadas de 1930 e 1940, trazendo uma profunda reflexão e crítica ao fato de cidadãos comuns serem reduzidos a peças para servir o estado, através do controle total. Muito mais do que o nazismo ou stalinismo é possível traçar paralelos com diversas formas de controle do governo e também do mercado sob a sociedade.

resumo de 1984 (1)

– Cultura pop: não é novidade que o reality show, Big Brother, foi inspirado no Grande Irmão da ficção, trazendo a mesma ideia para o programa: indivíduos ficam confinados e são vigiados por câmeras 24 horas.

– “Orwelliano” virou um termo conhecido para se referir a algo totalitário, opressivo. Por exemplo, aquele país tem políticas “orwellianas“.

– Um exemplo marcante do que vivemos hoje foi que, em 2011, nos EUA, quando o Governo do país queria manter o monitoramento de determinados indivíduos sem mandado, o juiz da Suprema Corte, Stephen Breyer embasou seus questionamentos fazendo claras referências à obra de 1984.

Caneca literária 1984 George Orwel

Ver caneca – 1984 George Orwel

– Atualmente, a sociedade vive sob a vigilância de câmeras de segurança em ruas, lojas e sob as câmeras de celulares, tablets e computadores, algo como as teletelas descritas em 1984 como as TV’s que transmitiam as imagens de propagandas do regime, mas também captavam imagens da audiência.

curiosidades sobre 1984

– Indo mais além nessa questão, atualmente, debate-se amplamente sobre a questão da privacidade e vigilância de dados na Internet. Até que ponto redes sociais e buscadores como o Google estão capturando nossos dados de navegação e hábitos na rede para influenciarem nosso comportamento e enviarem conteúdos?

Inspirados no livro

-Em 1974, o cantor David Bowie lançou a canção “1984”, inspirada no romance. Ela está no álbum “Diamond Dogs”.

– A HQ “V de Vingança”, de Alan Moore, que depois teve sua adaptação para o cinema, também foi inspirada em 1984.

– 1984 é o nome de um dos comerciais da Apple mais famosos e polêmicos de todos os tempos. Assista:

Camiseta literária 1984 George Orwel

Ver coleçãoGeorge Orwel inspirada no livro 1984.

27 Replies to “Resumo de 1984 de George Orwell

  1. Parabéns pelo resumo, didático e fluido!
    Ao lê-lo em Maio de 2020, se tornou evidente a conexão das “teletelas” com os celulares, que noticiam às autoridades as pessoas que não cumprem o isolamento social nesta época de pandemia.

    1. O resumo é mesmo muito bom. É uma pena que não queira ler o livro.
      eu tenho ele e excelente.

  2. Ótimo texto! Li o livro a muito tempo e me ajudou a lembrar da história, uma história e tanto né? Senti até vontade de reler, muito obrigada!

    1. Olá, Luana!

      Um livraço, né? 🙂
      Reler é uma ótima ideia. Acho até que farei o mesmo. 🙂

      Atenciosamente,
      A Poeta – Daiane.

  3. Este livro, de certa forma, é um tanto profético. Escrito no período pós-guerra, apesar de fazer críticas aos regimes totalitários já vivenciados pelo autor, dá um panorama futurístico, ao imaginar que, no ano de 1984, estaríamos vivendo a realidade dos dias atuais. George Orwell acertou quanto às previsões, apenas poderia dizer que o que ele imaginou para os anos 80, veio a acontecer 20 anos depois. Fazendo um paralelo com uma série que trata de um tema semelhante, a Black Mirror (tecnologia futurista e uso danoso da mesma), vejo que estamos caminhando neste rumo. As pessoas estão cada vez mais próximas digitalmente (podemos conversar em tempo real com alguém do lado oposto do planeta, por exemplo), mas emocionalmente, estamos cada vez mais distantes. Tudo parece terminar na superficialidade. Um grande abraço a todos os amantes da leitura.

  4. Prezados , boa noite !
    Adorei o conteúdo bastante explicativo e cheio de fatos históricos, e com muitas informações que nos fazem pensar e questionar, Parabéns.
    Atenciosamente, Grato!

    1. Que bom que gostou, Gleydson! Ficamos felizes. 🙂

      Volte sempre ao nosso blog.

      Atenciosamente,
      A Poeta – Daiane.

    1. Olá, Caio. Tudo bem com você?

      Se conseguirmos te ajudar, o faremos com prazer. Pode perguntar! 🙂

      Atenciosamente,
      A Poeta – Daiane.

    1. Que bom, Pedro!
      Esperamos que tenha tirado a nota máxima! 🙂

      Atenciosamente,
      A Poeta – Daiane.

  5. A alienação é o foco. É um paralelo da ficção para a realidade. A maioria das pessoas são levadas, talvez pelo fato de não saber filtrar as informações disponíveis, ao pensamento coletivista e isso tira o poder da crítica e do pensar individual. Os políticos sabem que a população está passiva à manipulação e por isso continuam o mesmo sistema de outrora.

    1. Olá!
      Fico feliz que tenha encontrado em nosso blog um lugar para expressar sua opinião (desde que não ofensiva).
      Que possamos viver em um país onde se expressar seja sempre possível. 🙂
      Volte sempre!

      Atenciosamente,
      A Poeta – Daiane

    1. Olá, Márcio. Como esse texto é de 2016, era a referência mais palpável que nós tínhamos no momento. Mas, em nada desabona o seu comentário. Abraços poéticos!

  6. A Bruna ficou feliz. Que bom prá ela. Mas meu nome é WINSTON e eu fiquei preocupado com o Winston Smith, que morreu no filme e no livro. Vou tomar cuidado com o Trump (hehehe). Mas tudo bem . Vamos em frente. Obrigado pela oportunidade de fazer esta brincadeira. O meu nome é sério. É este mesmo. WINSTON MANO

    1. Fala, Winston! Beleza?
      Obrigada pela contribuição bem-humorada. 🙂
      Volte sempre!

      Um abraço.
      Atenciosamente,
      A Poeta – Daiane.

    2. Olá, Joana. Tudo bem?
      Olha, nós leitores não sabemos se realmente o Winston morreu ou não. É a mesma polêmica do filme “A Origem”.O destino dele permanece não resolvido, uma vez que ele capitula totalmente perante ao Grande Irmão (mesmo sendo com através da questão da tortura do O’Brien etc.), ele acaba por ansiar por um julgamento público e posterior execução. Tudo bem que o livro acaba com o Winston no Chestnut. Então, somos livres para supor se o peão para ou continua a rodar.

      Abraços poéticos.

    1. Ficamos felizes, Bruna. Estamos sempre produzindo conteúdos bacanas por aqui. Volte sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *