Aqui na Poeme-se a palavra é matéria prima.
 
Aprendemos com elas a criar e recriar o mundo que desejamos. Vemos muito sentido em embalar cada uma delas em nossos versos e em nossas tarefas cotidianas. Usamos todo nosso repertório para fabricar ideias. Somos desses capazes de parar tudo para contemplar uma nova palavra que surja, seja de onde for.  Sabemos que ela-palavra, daquele instante em diante, morará dentro de nós.
 
Tanto é verdade que aproveitamos a ideia da jovem Liesel Meminger, aquela menina que roubava livros (livro de Markus Zusak), para criar uma lista de palavras novas. Uma lista nossa de palavras aprendidas aqui na Poeme-se. Temos um quadro cheio delas.
 
Todos os colaboradores da primeira empresa verso do país, sempre que percebem uma palavra nova, correm para registrar o momento.  Batizam a recém-chegada e descrevem seu significado: Andrajoso, ergonomia, hermético, resiliência… todas essas palavras nasceram na vida de alguém e foi devidamente registrada, aplaudida, compartilhada. Conhecimento de um virou de todos.
 
Na Poeme-se toda palavra nova é celebrada.
o poeta
 
Assinado: O Poeta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *