Abro o arquivo para escrever e o word me informa que está salvando Paulo Freire

 Não há como fugir à relação com a realidade. Não, não precisamos salvar Paulo Freire! Isso seria pressupor uma culpa, um erro que ele não cometeu. Mas precisamos amplificá-lo, salvar suas ideias e obras para mostrar à sociedade brasileira este homem, este educador gigantesco, aclamado pelo mundo, que nasceu aqui, em Pernambuco, e que na maturidade se definiu como um menino conectivo.

 E, o que são as meninas e os meninos senão humanos curiosos, que se conectam a tudo e todos a um só tempo? Perguntadores que não desistem de ouvir as respostas? São pessoas miúdas que não prescindem do diálogo! Que fazem dele presença nas brincadeiras de faz de conta. Acaso já prestaram atenção no quanto as crianças dialogam com seus brinquedos? Falam, perguntam, inventam vozes para que se estabeleçam diálogos. 

Paulo Freire camiseta literária Paulo freire

 Paulo Freire, o menino conectivo, o intelectual que lutou pelo direito de cada uma e cada um, dizer sua palavra, precisa estar cada vez mais presente, suas ideias resguardas do esquecimento, a salvo. Este intelectual respeitoso das opiniões, este professor que aboliu em sua prática a soberania na transmissão do saber, e o formato rígido das aulas. Este homem, pleno de infâncias, que até para escrever o fazia como quem dialoga, precisa ser conhecido, para que nenhuma ação lhe destitua, por exemplo, do título de Patrono da Educação Brasileira. Embora, preciso dizer, tenho certeza de que com ou sem o título ele o é! E mais do que Patrono. É um pensador que inaugurou uma nova filosofia da educação, reconhecido desta forma em vários países, um dos mais citados intelectuais da área.

Paulo Freire, pernambucano que conviveu com a fome alimenta o diálogo como sonho possível, como instrumento sem o qual a harmonia não se constrói. E para que o diálogo seja realizado horizontalmente defendeu que a todas e todos deve ser dado resguardado o direito de ler palavras, além do mundo. Por este motivo foi preso, exilado, abafado em nosso território nacional, e agora acusado de atrasar nossa Educação. Atraso é ele não ser lido. Atraso é ainda não sermos todas e todos alfabetizados e letrados. Atraso é não erguermos nossas vozes para dizer que não, não é ele o responsável por estarmos tão abaixo da escala que desejamos e merecemos estar. Atraso é não haver diálogo, e estar mais uma vez fragilizada nossa democracia.

 O irônico é ser exatamente a proposta freiriana a que resguarda o direito de dizerem o que pensam, mesmo sendo um despautério, desculpem-me o juízo de valor. Paulo defendia o direito de todas as vozes se posicionarem. Mas, estou certa, as que hoje se erguem com esta assertiva não conhecem de fato as escritas, falas, e sonhos de Freire.

Paulo freire caneca Paulo freire

 O Word que tem de salvar o arquivo Paulo Freire para que não se perca no campo virtual do meu pequeno computador. E nós, os que lemos suas obras, e concordamos com suas ideias, temos que salvá-las das fake news, das mentiras. Não como seguidores cegos. Isso nunca! Mas como intelectuais que concordam com o direito à fala, o direito às leituras, o direito ao acesso aos diversos aparelhos culturais, que respeitam as diversidades, e desejam uma sociedade mais equitativa. 

               Há 22 anos, num dia 02 de maio, seu coração parou, mas bate em nosso peito. 

O Instituto que leva seu nome, construído por ele e outros educadores com o objetivo de continuar os diálogos, está ativo e pulsante (muito!) Propondo leituras, conversas, cursos, jornadas em torno do pensamento freiriano, para que através dele, construamos os nossos pensamentos, as nossas práticas, e através de nossas vozes, possamos anunciar uma sociedade mais autônoma e forte, consciente de sua potência, cada vez mais dona do seu destino que é ser mais, como nos escreveu e disse Paulo Freire.

Paulo Freire Almofada Paulo Freire

Seu coração parou, mas pulsa em nossos peitos. Nós, os que temos o desejo de ver a justiça social triunfar da caridade! Nós os que todos os dias acordamos ouvindo a canção da esperança, mas não a esperança que espera passivamente. A esperança do verbo esperançar. Aquela que age, que executa ação, como todo verbo. Que luta. Semeia. Rega. Colhe e oferece as uvas que planta, porque não quer Ivos vendo as uvas sem poderem provar de seu sabor, nem saber de seus elos. Quer partilhar as uvas com Ivos, Ives, e tantxs mais. 

Nós precisamos salvar do esquecimento e das mentiras os ideais de Paulo Freire. Não como um arquivo preso na memória do computador, mas como pássaro livre que sobrevoa sobre nossas memórias e venta com suas asas, outros pensamentos, estimulando novos vôos, em quaisquer direções que desejemos, fazendo desta liberdade de voar o respeito pelas diversidades, como nos ensinou e ensina este menino conectivo chamado Paulo Reglus Neves Freire.

                Viva, Paulo Freire! Vivo!              Vivo e pulsante!


Paulo Freire mini bio Hellenice Ferreira

One Reply to “Viva, Paulo Freire! Vivo!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *